Notícias

  • Leilões de gado de corte iniciam 2019 com boa movimentação

  • Data: 24/01/2019
  • Fonte: https://www.portaldbo.com.br/leiloes-de-gado-de-corte-iniciam-2019-com-boa-movimentacao/
  • Leilões de gado de corte iniciam 2019 com boa movimentação
  • Por Alisson Freitas

    Uma das principais regiões pecuárias do Brasil, Mato Grosso do Sul começou o ano de 2019 com boa movimentação na venda de gado de corte em remates. De acordo com o leiloeiro Luciano Pires, que comanda o martelo nos principais leilões realizados na capital Campo Grande, de 16 a 22 de janeiro foram comercializadas mais de 6.000 cabeças em eventos da leiloeira Correa da Costa.

    “Temos visto uma demanda aquecida por todas as categorias de macho e também por novilhas. Os preços seguem firmes e a liquidez em 100%”, destacou o leiloeiro

    Nos remates realizados nesta semana, os bezerros anelorados, em torno de 180 kg, saíram em média por R$ 1.200/R$ 1.300, valor similar ao praticado no fim do ano passado. O mesmo aconteceu com os garrotes (230 kg), que foram vendidos a R$ 1.500, com alguns lotes sendo comercializados acima de R$ 1.600.

    “As médias só não foram maiores em função das recentes quedas da arroba no Estado”, destacou Pires.

    Segundo acompanhamento da Scot Consultoria, a @ do boi gordo em Campo Grande caiu em torno de R$ 3 desde o início do ano e ficou cotada a R$ 140 no fechamento da última quarta feira, 23 de janeiro.

    Já nas fêmeas, a média para bezerras de 150 kg variou de R$ 700 a R$ 750; as de 180 kg ficaram na casa dos R$ 900. O destaque ficou para os exemplares mais erados, arrematados entre R$ 1.150 e R$ 1.200. “A demanda por novilhas é crescente em virtude do enquadramento dessa categoria em programas de carne de qualidade”, explica Pires. “Muitos frigoríficos, inclusive, pagam o mesmo preço de machos por essas novilhas”, acrescentou.

    Para os próximos meses, a expectativa do leiloeiro é que o mercado continue firme. No entanto, ele não acredita em grandes variações nos preços. “Os leilões devem continuar vendendo bem e registrando boa liquidez, que é o mais importante. Esperamos agora que a economia se recupere e o agronegócio tenha um bom ano”, concluiu.

<< Voltar